A intolerância da Comunicação Interpessoal

porAdilson Martins

A intolerância da Comunicação Interpessoal

O ser humano é o ÚNICO da raça animal capaz de comunicar-se com máxima riqueza de vocábulos, compreender e responder a este chamado. Mas, estamos perdendo a capacidade de exercitar esta dádiva, involuindo no processo de comunicação e tornando-nos mais animais que humanos.
A máxima de que “quando duas pessoas gritam, boca e ouvido estão próximos, mas os corações estão longe”, não é apenas uma romântica frase de pregação. É, na realidade, a dificuldade de compreensão da mensagem dos interlocutores. Não obstante, pessoas sincronizadas com a empatia da outra, apenas com um olhar, sussurro ou leitura labial são capazes de compreender todo o sentimento a ser transmitido.
A quantidade de informações que recebemos diariamente, quando não filtradas, tornam-se grande problema para o nosso processamento cerebral e ficamos sem “paciência” para escutar as pessoas próximas de nosso relacionamento, pessoal e/ou profissional. Passamos apenas a ouvi-las, o que é diferente, já que não damos importância, pois o nosso subconsciente considera apenas mais um blá-blá-blá do dia.
Essa comunicação piora quando partimos para a discussão natural de ideias, crenças e temas corriqueiros do cotidiano. Declarar qual é o seu candidato para Presidente resulta em rechaço, gozação e questionamentos das pessoas ao entorno. Até quem tem a mesma opinião que a sua se cala, para não fazer parte do time discriminado. Não podemos expressar mais qual o time favorito, pois todos tem apelidos, gafes ou algo que os denigra. Não é possível mais discordar do outro, sem animosidade.
A incansável Madre Teresa afirmava que “a primeira necessidade é comunicar-se”, Peter Drucker, o pai da administração moderna afirma que “o mais importante da comunicação é ouvir aquilo que não foi dito” e Sêneca (advogado, escritor e intelectual do Império Romano) afirmou que “se lhe oferecessem a Sabedoria com a condição de guardar apenas para si, sem comunicar a alguém, ele não quereria.” Todos estes avatares que viveram sobre a Terra compreenderam que a Comunicação é uma nobre forma de transmitir Conhecimento, de relacionar-se e transmitir Amor, de Evoluir.
Dentre tantas virtudes, a paciência e a tolerância são itens escassos no mercado da vida contemporânea, rifadas à pressa, à superficialidade e à justificativa (errônea) da falta de tempo. Vivem o tempo do Khronos, que são consumidos pela escassez, enquanto esquecem-se de viver o tempo do Kairós, que é a qualidade de tempo, onde passar horas ao lado da pessoa amada, curtir uma viagem ou saborear um bom prato jamais será perda de tempo.

Sobre o Autor

Adilson Martins administrator

1 comentário até agora

Sandoval Goncalves dos santosPostado em11:15 pm - set 20, 2018

Gostei muito do comentario, penso que e preciso que esse dom da boa comunicao se desperte em cada um de nos para que possamos transformar o mundo.

Deixe uma resposta